Prevenção ao Uso de Álcool e Drogas nas Férias: Um Guia para Pais e Comunidade

  • 8 jul

As férias escolares são um período aguardado com entusiasmo por crianças e adolescentes. É um momento de relaxamento, diversão e novas experiências. No entanto, também é uma época que pode apresentar riscos aumentados para o uso de substâncias psicoativas, como álcool e drogas. Durante esse tempo livre, os jovens ficam mais expostos a fatores de risco, como maior disponibilidade de tempo livre, acesso facilitado a substâncias e influência de amigos. Portanto, é essencial que pais e a comunidade em geral estejam preparados para lidar com essa situação. Vamos explorar estratégias de prevenção, sinais de alerta para os pais e como a comunidade pode ajudar nesta importante missão.

O Papel dos Pais

Educação e Conscientização

Uma das estratégias mais eficazes na prevenção ao uso de álcool e drogas é a educação. Informar crianças e adolescentes sobre os riscos associados ao uso dessas substâncias é fundamental. Programas educativos nas escolas, palestras e workshops podem abordar temas como:

  • Efeitos nocivos das substâncias psicoativas: Explicações claras sobre como o álcool e as drogas afetam o corpo e a mente. Estudos mostram que o uso precoce de substâncias está relacionado a um maior risco de dependência e problemas de saúde mental.
  • Pressão dos pares: Técnicas para resistir à pressão dos amigos e desenvolver autoconfiança. Programas como o “Projeto DARE” (Drug Abuse Resistance Education) têm demonstrado eficácia em capacitar jovens para resistirem à pressão dos colegas.
  • Desenvolvimento de habilidades sociais: Incentivar atividades que promovam habilidades de comunicação e resolução de problemas, essenciais para a tomada de decisões saudáveis.

Envolvimento Familiar

A relação próxima e de confiança entre pais e filhos é fundamental para a prevenção. Pais devem estar envolvidos na vida dos adolescentes, estabelecendo regras claras e um ambiente familiar saudável. Algumas estratégias importantes incluem:

  • Diálogo aberto e honesto: Criar um ambiente em que os filhos se sintam confortáveis para falar sobre suas preocupações e experiências. Estudos indicam que uma comunicação eficaz entre pais e filhos pode reduzir significativamente o risco de uso de substâncias.
  • Estabelecimento de regras claras: Definir limites e expectativas em relação ao comportamento e às atividades durante as férias. Regras bem estabelecidas podem proporcionar segurança e orientação para os jovens.
  • Monitoramento e supervisão: Saber com quem os filhos estão e onde passam seu tempo. O monitoramento parental é um dos fatores protetivos mais fortes contra o uso de substâncias.
  • Participação em programas de prevenção: Pais devem participar ativamente de programas de prevenção ao uso de drogas, pois sua presença e apoio são muito valorizados pelos jovens.

Atividades Saudáveis e Envolvimento Comunitário

Oferecer alternativas saudáveis e positivas para os jovens durante as férias é uma excelente forma de prevenção. Incentivar a participação em atividades saudáveis e construtivas pode ser determinante. Comunidades podem organizar eventos e atividades que mantenham os adolescentes ocupados e engajados, como:

  • Esportes e recreação: Programas esportivos, clubes de artes e oficinas diversas. A prática regular de esportes está associada a uma menor probabilidade de uso de drogas.
  • Voluntariado: Incentivar o envolvimento em projetos comunitários pode proporcionar um senso de propósito e realização, desviando a atenção dos jovens do uso de substâncias.
  • Espaços seguros e supervisionados: Centros comunitários e espaços de lazer supervisionados onde os jovens possam se reunir de forma segura. Ambientes seguros são cruciais para reduzir os riscos associados ao tempo livre não supervisionado.

Sinais de Alerta para os Pais

Detectar precocemente o uso de álcool e drogas pode fazer uma grande diferença na vida de um jovem. Os pais devem estar atentos a mudanças no comportamento e nos hábitos que podem indicar problemas, tais como:

  • Mudanças repentinas de humor ou comportamento: Irritabilidade, depressão ou euforia inexplicáveis.
  • Queda no desempenho escolar: Desinteresse pelos estudos, faltas frequentes e notas baixas.
  • Mudança no círculo de amigos: Novo grupo de amigos que pode ter influências negativas.
  • Alterações físicas: Perda de peso, olhos vermelhos, cansaço excessivo.

Se algum desses sinais for identificado, é importante buscar ajuda profissional imediatamente. Psicólogos, conselheiros escolares e médicos podem oferecer suporte e orientação adequados.

O Papel da Comunidade

A prevenção ao uso de álcool e drogas é uma responsabilidade coletiva. Escolas, organizações comunitárias e serviços de saúde devem se unir para desenvolver programas de prevenção durante as férias. Comunidades podem se mobilizar de várias formas para proteger seus jovens:

Campanhas de Conscientização

Organizar campanhas de conscientização que envolvam toda a comunidade é uma forma eficaz de disseminar informações e promover um ambiente seguro. Estas campanhas podem incluir:

  • Palestras e workshops: Sessões informativas para pais, educadores e jovens sobre os riscos e como evitá-los. Campanhas comunitárias bem-sucedidas, como o programa “Comunidades Que Cuidam” (Communities That Care), mostraram ser eficazes na redução do uso de substâncias entre jovens.
  • Materiais educativos: Distribuição de folhetos, cartazes e conteúdo digital com informações relevantes.
  • Eventos comunitários: Festivais, passeatas e atividades que reforcem a mensagem de prevenção.

Parcerias com Instituições Locais

Colaborações entre escolas, igrejas, ONGs e governos locais podem fortalecer os esforços de prevenção. Estas parcerias podem resultar em programas mais abrangentes e recursos adicionais para os jovens.

Criação de Espaços Seguros

Estabelecer e manter espaços seguros onde os jovens possam se reunir de forma supervisionada é crucial. Centros comunitários, bibliotecas e clubes podem oferecer programas e atividades supervisionadas que mantenham os adolescentes ocupados de maneira positiva.

Conclusão

As férias escolares representam um período de maior vulnerabilidade para o uso de álcool e drogas entre os adolescentes. Portanto, é essencial que pais e a comunidade trabalhem juntos na implementação de estratégias efetivas de prevenção durante esse período. Somente com o envolvimento de todos os atores sociais será possível proteger a saúde e o desenvolvimento saudável dos jovens.

Você tem alguma experiência ou dica sobre como manter os jovens afastados de substâncias nocivas durante as férias? Compartilhe nos comentários abaixo! Seu conhecimento pode ajudar outras famílias e comunidades a se manterem informadas e protegidas.

Dr. Danilo Suassuna


Referências

  1. National Institute on Drug Abuse. (2020). Drugs, Brains, and Behavior: The Science of Addiction. Disponível em: https://nida.nih.gov/publications/drugs-brains-behavior-science-addiction/preface
  2. DARE America. (2021). About D.A.R.E. Disponível em: https://dare.org/about-dare/
  3. Ryan, S. M., Jorm, A. F., & Lubman, D. I. (2010). Parenting factors associated with reduced adolescent alcohol use: a systematic review of longitudinal studies. Australian and New Zealand Journal of Psychiatry, 44(9), 774-783.
  4. Jackson, C., Henriksen, L., & Foshee, V. A. (1998). The Authoritative Parenting Index: Predicting health risk behaviors among children and adolescents. Health Education & Behavior, 25(3), 319-337.
  5. Steinberg, L. (2001). We know some things: Parent–adolescent relationships in retrospect and prospect. Journal of Research on Adolescence, 11(1), 1-19.
  6. Moore, M. J., & Werch, C. E. (2008). Sport and physical activity participation and substance use among adolescents. Journal of Adolescent Health, 42(5), 486-493.
  7. Lerner, R. M., & Benson, P. L. (Eds.). (2003). Developmental assets and asset-building communities: Implications for research, policy, and practice. Springer Science & Business Media.
  8. Hawdon, J. E. (1999). Daily routines and crime: Using routine activities as measures of Hirschi’s involvement. Youth & Society, 30(4), 395-415.
  9. Johnston, L. D., O’Malley, P. M., Miech, R. A., Bachman, J. G., & Schulenberg, J. E. (2021). Monitoring the Future national survey results on drug use, 1975-2020: Overview, key findings on adolescent drug use. Institute for Social Research, University of Michigan.
  10. Hawkins, J. D., Catalano, R. F., & Arthur, M. W. (2002). Promoting science-based prevention in communities. Addictive Behaviors, 27(6), 951-976.
  11. Nation, M., Crusto, C., Wandersman, A., Kumpfer, K. L., Seybolt, D., Morrissey-Kane, E., & Davino, K. (2003). What works in prevention: Principles of effective prevention programs. American Psychologist, 58(6-7), 449-456.
  12. Kelly, A. B., O’Flaherty, M., Connor, J. P., Homel, R., Toumbourou, J. W., & Patton, G. C. (2011). The influence of parents, siblings and peers on pre- and early-teen smoking: A multilevel model. Drug and Alcohol Review, 30(4), 381-387.
Compartilhe: